Mercado negro de gold e a retórica no discurso contra os cheats

16730064_10212508563337043_812366674_n

Estruturou-se, no decorrer dos anos, um pujante mercado negro de gold que logrou êxito ao conquistar rapidamente um sem-número de tibianos. Em uma rápida pesquisa num dos principais mecanismos de busca disponíveis atualmente na internet, constatei a existência de pelo menos dezenas de sites que atuam hoje no comércio irregular de gold. De maneira geral, esses sites comercializam crystal coins, itens e accounts. Mais recentemente, alguns também passaram a comercializar tibia coins.

O mercado negro de gold avança vertiginosamente, principalmente a partir do fluxo mensal de um volume mastodôntico de crystal coins. Durante a investigação que realizei para redigir o presente artigo, verifiquei que alguns sites oferecem aos compradores pacotes de 100 a até 3.000 crystal coins, alguns pacotes comercializados inclusive na forma de combo (quantidade X de crystal coins + algum serviço ou produto específico), em diversos servidores do Tibia. O preço de um dos pacotes com 3.000 crystal coins, por exemplo, ultrapassa os R$ 200,00. É certamente um mercado bastante lucrativo.

O que deve ser destacado é que o comércio irregular de gold tem como principal força motriz a utilização irrefreada de cheats, em diversos casos, até por integrantes das chamadas guilds dominantes, que controlam vários servidores e que restringem parcial ou integralmente o acesso a determinados locais de caça considerados muito lucrativos, como é o caso de Roshamuul. A CipSoft deleta mensalmente milhares de contas que contém personagens-robô a serviço do mercado negro de gold. Todavia, como se tivessem ressurgido das cinzas, eles reaparecem aos montes em território tibiano. Essa realidade não parece ser suficiente para desencorajar muitos dos tibianos a consumirem nesse mercado.

E nesse sentido, vale ressaltar que apenas o consumo é capaz assegurar a existência desse comércio irregular. Não poderia ser diferente: o mercado negro de gold, que contribui para o fortalecimento de várias guilds dominantes, em diferentes servidores, e que tem nos cheats sua principal força propulsora, só existe porque há consumidores que garantem sua rentabilidade. Esses consumidores são ninguém menos que jogadores que integram a comunidade tibiana e que, paradoxalmente, são cotidianamente prejudicados pela lastimosa presença de personagens-robô nos locais de caça, pelo spam insuportável propagado sistematicamente pelos autômatos a serviço do lucro e por muitas guilds dominantes que se locupletam cada vez mais com a venda irregular de gold.

Apesar disso, verifiquei que em diferentes espaços de discussão pode-se encontrar numerosos e enfáticos discursos contrários à utilização de cheats. Muitos dos chamados youtubers já registraram incontáveis vezes a desonesta atuação de personagens-robô em Roshamuul.  Paralelamente, também pude perceber que muitos desses discursos contrários à utilização de cheats são por vezes evocados por jogadores que assumidamente contribuem para a subsistência do mercado negro de gold.  Em alguns casos, esses mesmos jogadores versam duras críticas à CipSoft, seja pela suposta ineficiência da empresa alemã no combate ao uso de cheats, seja pela incapacidade de conter os já tão conhecidos ataques DDoS [A correlação entre uso de cheat e ataques DDoS foi por mim discutida em artigo publicado no Bom Dia Tibia]. Desponta, com isso, uma separação nociva e inexorável entre discurso e prática, que também já discuti aqui no Bom Dia Tibia.

É fundamental que toda a comunidade tibiana tenha uma clara compreensão do seguinte raciocínio: Quanto maior for o consumo nesse mercado negro de gold, tanto maior será o domínio exercido por várias guilds dominantes em diferentes servidores e tanto menor será a efetividade do combate ao uso de cheats. Em outras palavras, além de contribuir para uma prática irregular, a manutenção/elevação do consumo nesse mercado negro de produtos do Tibia contribui sobremaneira para o fortalecimento de uma estrutura de dominação sobre a qual se assentam e se locupletam vários jogadores/grupo de jogadores e para a potencialização dos incontáveis problemas relacionados à utilização de cheats.

Kankuro

Kankuro é Editor Geral do BomDiaTibia.com e joga em Olympa. É ativista e crítico de softwares não autorizados e de atividades ilícitas, como o comércio irregular de coins. Também reflete questões relacionadas à segurança e privacidade.

Últimos posts por Kankuro (exibir todos)

Um Comentário para: “Mercado negro de gold e a retórica no discurso contra os cheats

  1. Yuri Cordeiro

    Vim através da entrevista no canal do Gynho e gostei bastante do site! Uma proposta bem diferente e to animado com o podcast! Parabéns pela iniciativa!

    Sobre o artigo, que assunto complicado. Eu que sou da época do Tibia 7.1 nunca curti BOT. Nem Tibia Luz eu usei. Quando surgiu o tal mercado dos golds e itens foi justamente quando comecei a parar de jogar. Eu por exemplo, jogava em Fidera e era impossível caçar em lugares conhecidos pelo lucro. Era infestados de BOTs. O mais engraçado é que as contas, que são deletadas, raramente são as contas que te atrapalham no jogo.

    Acho que é preciso citar que o mercado ilegal de gold é lucrativo inclusive para a Cip, que por sua vez, vem sofrendo tem alguns anos com as vendas do serviço de Premium Account. E que fique claro: não estou dizendo que é algo proposital ou tolerado.

    Isso tudo gera um ciclo: você não consegue dinheiro no jogo por conta dos BOTs, resolve comprar gold pra dar uma ajuda. Esses golds que comprou vieram justamente de BOTs que ficam farmando, logo, você é quem está financiando o seu problema dentro do jogo. Então o ponto sustentado pelo artigo é perfeito: enquanto houver compradores, vai ter mercado ilegal.

    Mas mais importante que tudo isso é, na minha opinião é: Enquanto a CIP permitir este tipo de mercado, vai existir este tipo de mercado.

    Valeu pessoal, com certeza passarei a acompanhar o site!

    Sucesso!

Deixe uma resposta