Hollow

Diário de Amaro De Quester, dia 42

É noite ou dia lá na superfície? Eu me pergunto. Há tantos anos que procuro lugares com os quais ninguém se atreveu a sonhar. Quem teria pensado que o mais estranho de todos se encontrava no subsolo, lá no fundo, onde o tempo não passa de uma ilusão do homem.

Juntar-se à mais nova expedição gnômica não exigia coragem. Descer a um poço sem fundo, um abismo insondável, porém, foi um passo muito mais ousado. Se não fosse pela minha curiosidade e pela ajuda dos gnomos, eu poderia ter desistido.

Nas profundezas da superfície, os gnomos descobriram uma caverna colossal que abriga uma impressionante massa de terra com um vulcão gigante e retumbante em seu centro, expelindo lava derretida, cinzas e fumaça. Chamam a este lugar Gnomprona, um prato que se serve quente e picante. Um enorme crânio paira sobre a entrada da câmara interna do vulcão. Eu já vi uma fera assim antes, olhando para mim através das órbitas ocas e escancaradas. A forja da exaltação; desenterrado pela guilda dos aventureiros com a ajuda dos gnomos.

 

A abundância de recursos naturais aqui não me tenta. Não sou movido pela ganância, vim para entender e aprender. E, no entanto, parei de olhar para cima porque não há céu infinito, nem sol para contemplar, nem nuvens ou estrelas para contar. Tudo o que vejo é aquela estranha névoa que ilumina todo o lugar e esconde o teto escarpado de pedra e estalactites da caverna que podem desabar a qualquer minuto.

Gotas de água estão caindo das grandes folhas verdes e samambaias, mas nenhuma delas atinge o solo, todas evaporam no meio do caminho. Esta umidade sufocante e escaldante, é sufocante e exaustivo. Mas precisamos continuar, pois o que encontramos está além de qualquer coisa que eu poderia ter imaginado: criaturas primordiais, algumas nunca vistas antes, enquanto outras se acreditavam extintas. Progenitores de espécies que conhecemos atualmente. E vestígios de uma civilização antiga! Talvez até mais velhos do que nossos ancestrais mais antigos conhecidos.

 

 

O exuberante cenário verde ao meu redor é banhado pelo brilho vermelho das piscinas de lava e rios, se espalhando do vulcão como veias de sangue, pulsando lentamente, imitando o batimento cardíaco do Tibia.
Uma visão maravilhosa de se ver, uma beleza traiçoeira pronta para atacar, para se libertar e envolver o mundo em chamas.

O ar cinza que respiro é pesado, quente e empoeirado; Estou em chamas e encharcado ao mesmo tempo, cheirando a enxofre como tudo aqui embaixo. O cheiro de decadência, queima e permanece. A selva está cheia de vida, mas é a vida à beira da morte. Cada criatura, cada planta está engajada em uma luta constante pela sobrevivência, devorando e sendo devorada, enfrentando-se e enfrentando a própria natureza, aqui no fundo das entranhas de nossa casa.

Se este lugar perigoso é o paraíso de que me falaram, tenho de repensar a minha concepção de inferno.

acesso

ÚLTIMAS NOTICIAS

PUBLICIDADE

BDTCast

último episódio lançado

proxy recomendada

segue a gente

COMPARTILHE

ÚLTIMAS NOTICIAS

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário